Fale com a gente pelo Whatsapp Fale com a gente pelo Whatsapp

Swan Upping: a tradição que cuida dos cisnes do rio Tâmisa

Você já ouviu falar da “Swan Upping”?

Ela é uma tradição que começou há 900 anos e é promovida todos os anos no mês de julho.

Só que essa não é apenas mais uma tradição de pompa e circunstância da realeza. Ela tem um bonito objetivo por trás: a preservação dos cisnes e a educação ambiental a partir do envolvimento da sociedade.

Para isso, uma equipe liderada pelo Queen’s Swan Marker, percorre um trecho do extenso rio Tâmisa fazendo um verdadeiro censo dos cisnes, não só fazendo sua contagem, como também verificando suas condições de saúde.

OS CISNES TÊM DONO?

A posse dos cisnes que vivem no Tâmisa é dividida entre a Coroa Britânica e duas companhias, que são a Worshipful Company of Dyers e a Worshipful Company of Vintners.

Durante a Swan Upping, a posse de todas as aves é identificada, sendo que as pertencentes à rainha não recebem marcação, já que ela pode reivindicar a posse de todo cisne que esteja em águas abertas.

DO BANQUETE À PRESERVAÇÃO

Foi no século 12 que a Coroa reivindicou a posse dos cisnes, mas apenas de uma espécie específica, a dos cisnes mudos.

Eles eram considerados uma iguaria e o Swan Upping nasceu para que fossem contados com o objetivo de suprir banquetes.

Felizmente, a tradição evoluiu. Ainda que todos os cisnes mudos não marcados, nadando em águas abertas, sejam considerados de posse da Coroa, eles não são mais capturados para a alimentação. Todo o evento é dedicado à sua preservação.

Viram como o patinho feio sempre foi nobre?

Chamada para ação

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *